Sep 30 • 5M

Tá todo mundo tentando: ansiedade

Para ler ouvindo: "Sorrow, No", do Life Without Buildings. E a playlist com TODAS as músicas da TTMT.

54
26
 
0:00
-5:04
Open in playerListen on);

Appears in this episode

Gaía Passarelli
Uma newsletter sobre o mal-estar da vida na São Paulo dos anos 2020 | por Gaía Passarelli -> http://gaiapassarelli.substack.com
Episode details
26 comments
Para ler ouvindo: "Sorrow, No", do Life Without Buildings, uma daquelas bandas escocesas do final dos 90 que ninguém conhece mas deveria conhecer. (Youtube/Tidal) Aproveitando: agora tem uma playlist com todas as músicas da TTMT, menos uma (que não achei). Tá no Tidal.

Ansiedade

Já tem um tempo. Não sei quando começou isso de que só me sinto em paz dentro de casa. O problema é que essa casa de agora não é minha casa, não me reconheço nem dentro nem fora dela, por mais agradável que seja — há um jardim onde crianças tomam sol, há vizinhos simpáticos com filhotes de cachorro, há alguém que toca piano todas as tardes, descendo o som em cascata para as áreas comuns. Mas não é meu lugar.

Moro no térreo, e se alguém olhar com atenção consegue me ver da rua. Não que exista muito para ver: todos os dias, o dia inteiro, na mesma posição, sentada atrás do computador aberto. Da tela adiante não vejo nada, porque minha miopia piorou demais em seis meses.

Não sei explicar qual o gatilho da ansiedade que me faz estática por minutos, às vezes horas, nesse lugar. Provavelmente gatilhos, no plural, e mutáveis. Nunca estiveram tão à flor da pele quanto agora, e vem piorando desde que o mundo, ou o que achávamos que era esse mundo, começou a desabar. Era melhor se fosse de uma vez, uma marretada certeira, ao invés desse longo processo em que partes das paredes vão caindo um pouco todos os dias, mostrando que aquilo que está do outro lado não é o que você queria, mas está lá e uma hora você vai ter que olhar de frente.

A analista pergunta como sei que é ansiedade e tento descrever coisas muito físicas: aperto na garganta, frio na barriga, suadeira nas mãos, dor de cabeça, boca seca. Ela me interrompe e diz que, sim, ansiedade é uma coisa muito física mesmo, mas eu sei de onde ela vem? O que sai da minha boca é um achar que vem de tudo que não está dito. Mas tem algo de um medo muito real também.

É sempre muito quando há uma crise a caminho. Não consigo me concentrar em nada, mesmo em coisas simples do trabalho ou decisões banais como ir até a esquina almoçar PF. Quando dou por mim, já perdi umas duas horas empacada no mesmo ponto, apesar de ter disponível o que preciso para seguir em frente . Os recursos estão ali, ao alcance, mas meu braço não se move na direção deles.

Algumas pessoas comem balinhas, outras roem as unhas, fumam cigarro, rabiscam papel, olham demais o celular. Eu me limito a olhar para frente de forma vaga, e esperar. Penso em levantar e jogar uma água no rosto, beber água do filtro, mas a ideia de ir até o banheiro ou a cozinha parece uma odisséia e me sinto cansada antes de levantar da cadeira. Penso em pedir ajuda para amigos ,mas não consigo lembrar o nome de ninguém, ainda mais alguém com quem poderia falar sobre isso assim no meio de uma manhã de quinta feira.

É essa paralisia que entrega o que preciso saber. Tento lembrar que como todo vagalhão, a crise passa. É importante não tentar controlar o relógio, nem me preocupar com a duração do transe ansioso e nem superanalisar caminhos de saída. Esperar. Olhar pela janela sem os óculos.

Andei sentindo tanto ódio que comecei a andar na rua com um martelo dentro do bolsa, como se fosse revidar fisicamente naquilo que me aflige. Recentemente, usei o martelo para pendurar quadros e dar alguma cor nas paredes do apartamento novo e depois o guardei de volta na caixa de ferramentas, possivelmente evitando uma tragédia.

A questão é que a raiva passou e o que entrou no lugar dela foi medo. Nem toda esperança estrelada do mundo é capaz de me fazer esquecer que a reconstrução é muito longa e que há ainda várias marretas por aí tentando impedi-la.

Ainda assim: é preciso começar. E a previsão do tempo diz que domingo, aqui em São Paulo, a chuva dá uma trégua e o sol volta.

Ilustração por Tiago Lacerda @elcerdo

Share

Leave a comment

Essa edição é um oferecimento da Refúgios Urbanos, uma imobiliária feito por (e para!) amantes da arquitetura

Essa edição é um oferecimento da Refúgios Urbanos, uma imobiliária feito por (e para!) amantes da arquitetura

📚 Bebe Gigante, Tiago Lacerda

Lançado originalmente em 2011, é o primeiro livro solo do Tiago Lacerda, cartunista e ilustrador que toda semana embeleza as edições da TTMT, que agora sai em nova edição digital pela Conrad. Tiago conta que a história, que gira em torno de um bebê selvagem que não pára de crescer, é uma homenagem a uma história encontrada em uma edição da finada revista de HQ independente Rubber Blanket, que por sua vez era uma homenagem ao conto "O Afogado Mais Bonito do Mundo", do García Marquez. Compre direto no site da Conrad. Segundo o autor, "é mais barato do que aquela coxinha cara da padaria do lado da sua casa".

A post shared by Tiago Souza Lacerda (@elcerdo)

⚠️  Atenção: mudanças

Como tenho falado, a TTMT tem passado por mudanças de formato. Diminui a quantidade de dicas de livros e afins nos envios de toda sexta para concentrá-las em um email mensal para os apoiadores, como esse enviado na terça passada

Se você quiser ter um gostinho do conteúdo especial para apoiadores, logo abaixo tem uma promo para ter duas semanas de teste. Se curtir, é só continuar assinando ;) 

embed discount code

A partir da próxima semana a TTMT vai ter uma folga de histórias inédita, publicando alguns repetecos. Afinal, tem muito muito mais de onde esses vieram. Os envios do Guia Pauliceia, aquele email especial com dicas de coisas para fazer em SP, para apoiadores, não para.

Leave a comment

💡 cinco links legais

Em outubro tem edição nova do curso ABC da Newsletter, o gás que você precisa pra tirar do papel a sua newsletter (ou para melhorar a que você já faz). Ingressos no Sympla.

Ainda sobre newsletters: O Texto e o Tempo é um evento online, organizado por pessoas que estão criando newsletters de literatura no Substack, com talks e oficinas sobre temas como monetização e edição de conteúdo.

A Posfácio (que eu já indiquei semana passada!) fez uma lista de cinco podcasts que você precisa ouvir antes de votar no próximo domingo. Corre que dá tempo!

Logo mais tem Popload Gig, festival pocket e sem perrengue, com Jup do Bairro, Pixies, Cat Power, Jack White e outros artistas. Você pode comprar ingresso com 10% de desconto usando o código GAIA10.

Outro festival incrível na mesma semana é o Selvagem, com comemoração de dez anos da festa de mesmo nome, com pencas de DJS, várias pistas e fervo certo. Siga esse link para comprar com desconto.

Leave a comment

💌 leia também

Tá Todo Mundo Tentando
📚 🎞️ 🎙️ Ler, ver e ouvir: dicas de setembro
Esse é um envio extra da Tá Todo Mundo Tentando para repartir as dicas de livros e afins, que até semana passada iam na newsletter de toda semana. Como expliquei na edição de sexta, a TTMT tá passand…
Read more

leia todas as edições da TTMT